Lentes blue protect: você sabe o que é proteção contra luz azul?

Lentes blue protect: você sabe o que é proteção contra luz azul?

Você já parou pra pensar quanto tempo do seu dia passa olhando para uma tela? Seja no computador, no celular, no tablet ou na televisão, as telas já fazem parte da nossa rotina, e muitas vezes nem nos damos conta disso. A luz azul é emitida por essas telas e pode ser prejudicial para a saúde da visão. Por isso as lentes blue protect filtram os raios nocivos para os olhos.

Alguns dados coletados recentemente mostram um aumento nesse “consumo”das telas pelos brasileiros devido à pandemia e ao isolamento social, causando também um aumento da miopia entre crianças e adolescentes.

Segundo dados da ConVid Adolescentes – Pesquisa de Comportamentos, realizada com jovens do Brasil todo, de junho a setembro de 2020, 70% dos brasileiros de 16 a 17 anos passaram a ficar mais de 4 horas por dia em frente ao computador, tablet ou celular, além do tempo das aulas online. Além disso, 23,9% daqueles entre 12 e 17 anos começaram a ter problemas no sono.

Outro dado interessante do GlobalWebIndex de 2019 é que o Brasil é o segundo país que passa mais tempo nas redes sociais, perdendo apenas para as Filipinas. E em 2020, com a pandemia da Covid-19, uma pesquisa feita pela consultoria Kantar apontou que o uso do WhatsApp, Facebook e Instagram aumentou em 40%. Por fim, o YouTube também registrou um aumento de 91% entre julho de 2019 e julho de 2020. 

Impressionante não é mesmo? 

mind equals blown mirror of erised gif

Ao mesmo tempo que os aparelhos eletrônicos diminuíram fronteiras e facilitaram o acesso à informação, também trouxeram alguns potenciais perigos à saúde, como o excesso de exposição à luz azul violeta, emitida pelas telas e potencialmente prejudicial para os nossos olhos. 

Mas fique tranquilo, para evitar problemas da saúde da visão e manter sua conectividade vamos explicar neste artigo o que são e as vantagens das lentes com filtro para luz azul. Fique ligado!

Publicado em 2 de abril de 2021

Colaborou com este artigo: Dr Renan Oliveira (CRM-SC 24.929) – oftalmologista especialista em cirurgia refrativa e catarata no Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (Joinville, SC)

Índice

1. O que é a luz azul?

2. Perigos da luz azul violeta

3. Lentes blue protect

4. Vantagens da proteção blue light

5. Lente com filtro azul vale a pena?

O que é a luz azul?

A luz azul é uma luz de alta energia. Voltando para as aulas de física, dentro do espectro visível da luz para o olho humano, o azul está próximo do violeta, que é a luz de mais alta energia visível. Essa, todo mundo já ouviu falar desde que os filtros solares se tornaram mais conhecidos para nos proteger da luz ultravioleta. Falando de forma simples, o azul está pertinho do violeta neste espectro das cores visíveis aos nossos olhos. Só isso já dispara um sinal de alerta! 

A luz azul existe naturalmente no sol e por isso nosso cérebro entende que é dia quando os olhos são expostos à ela. Porém, as telas de aparelhos eletrônicos como computadores, tablets, smartphones e TVs, funcionam baseadas em um pico de luz azul e também emitem essa energia. 

Para o cérebro humano não é natural estar exposto à luz azul durante à noite, já que ela emite um sinal para o cérebro de que é dia. O efeito disso? Um bloqueio na produção natural da melatonina,  o famoso hormônio natural do sono, e com isso lá se vão nossas noites bem dormidas. 

Mas toda luz azul é prejudicial ao olho humano?

Não é toda luz azul que é prejudicial para a saúde, pelo contrário, existem espectros dentro da luz azul benéficos e necessários para a saúde. 

O azul turquesa, por exemplo, que está presente na luz natural do sol, ajuda a regular nosso ciclo circadiano (que você deve conhecer como relógio biológico), melhorando nossa saúde mental e até o sistema endócrino. 

O espectro mais nocivo da luz azul é o azul-violeta, por estar mais próximo do ultra violeta (UV). Os raios UV, apesar de muito mais nocivos para nossa pele e olhos, já são nossos velhos conhecidos, seja pela queimadura que causam ou pela conscientização da importância de usar filtros solares de pele e óculos com lentes solares. A luz azul violeta também aparece (em menor escala que no sol) nas telas dos aparelhos eletrônicos, e por isso recomenda-se o uso de lentes blue light para quem fica muitas horas exposto à telas digitais. 

E vamos combinar que atualmente, quem não fica?

Resumindo… 😎

A luz azul sempre esteve presente em nossas vidas, mas sua fonte era, em grande, maioria proveniente da luz solar e protegida pelos óculos de sol

Hoje em dia já acordamos com o celular na mão, desligamos o despertador e já começamos a checar as novidades das redes sociais, as últimas notícias do momento e até aquele “like” do crush (quem nunca?). 

Tomamos café com um olho no pão e outro na televisão, trabalhamos quase que 100% do tempo ligados na tela do computador ou respondendo a mensagens no WhatsApp e para descansar assistimos às telas dos streamings, que SIM, mudaram nossas vidas para sempre!

Com a pandemia então, até o encontro dos amigos no bar ganhou espaço nas vídeo chamadas e os shows viraram lives com milhões de espectadores ao redor do mundo. 

A tecnologia veio pra ficar e já que não devemos diminuir nossa exposição nessa vida intermediada por telinhas (e que isso só deve crescer), pelo menos vamos conhecer os cuidados necessários e nos proteger.

Problemas causados pela luz azul

Perigos da luz azul violeta

A possibilidade de danos na retina pela longa exposição à luz azul ainda é baseada em experimentos comprovados in vitro (no laboratório) e não existem dados científicos finais sobre o impacto de longo prazo da exposição excessiva dos olhos à luz azul. Mas isso somente porque somos a primeira geração que se expõe às telas por longas horas numa base diária. Sem falar dos que já estão nascendo com um tablet ou smartphone na mão. 

No entanto, já existem pesquisas sólidas que consideram a prevenção como a melhor forma de evitar riscos desnecessários à saúde mental e ocular, que começam com a fadiga ocular, intensificam-se com dores de cabeça e culminam em noites de sono mal dormidas. Vamos te contar melhor sobre cada um desses efeitos.

Fadiga ocular

O Relatório do Vision Council com relação aos riscos da luz digital e outras fontes mostram que mais de dois terços dos adultos nos Estados Unidos que usam regularmente dispositivos digitais apresentam vários sintomas associados à exposição excessiva à luz azul violeta.

A exposição a essa luz azul por longos períodos, muitas vezes até tarde da noite sem intervalos visuais, tensiona os músculos oculares e pode contribuir para o desconforto visual e sintomas associados à fadiga ocular digital.

Dores de cabeça

As dores de cabeça são um dos sintomas mais comuns da fadiga ocular e podem ser associados com outros sintomas como: dor nos olhos, olhos vermelhos, ardência ou irritação nos olhos, olhos secos ou lacrimejantes, visão turva, embaçada ou dupla; sensibilidade à luz (fotofobia), dor no pescoço, ombros ou costas.

Noites mal dormidas

Como já falamos antes, a exposição excessiva à luz azul, principalmente à noite, pode causar distúrbios do sono. Por isso, estudos começaram a investigar o efeito chamado ALAN (artificial light at night ou luz artificial noturna) nos distúrbios do sono e suas consequências para os pacientes.

A explicação para isso é que a luz azul emite um comunicado ao cérebro que ainda é dia, com isso o organismo cria uma barreira contra o sono e diminui a produção de melatonina (hormônio do sono). 

Estudo realizados na Universidade de Harvard colocaram 10 pessoas em uma programação que mudou gradualmente o tempo de seus ritmos circadianos, comprovando que a exposição à luz azul suprime a produção de melatonina. 

A luz à noite é parte do motivo pelo qual tantas pessoas não dormem o suficiente”, concluíram os pesquisadores que também relacionaram o sono curto ao aumento do risco de depressão, bem como diabetes e problemas cardiovasculares.

A pesquisa também mostrou que enquanto qualquer tipo de luz pode suprimir a produção de melatonina, a luz azul à noite o faz com mais força. 

Os pesquisadores de Harvard e seus colegas conduziram um experimento comparando os efeitos de 6,5 horas de exposição à luz azul com a exposição à luz verde de brilho comparável. A luz azul suprimiu a melatonina por cerca de duas vezes mais que a luz verde e alterou os ritmos circadianos em duas vezes mais (3 horas contra 1,5 horas).

Leia mais sobre noites mal dormidas e como elas podem afetar os olhos!

Mas em que dose a luz azul começa a causar danos aos olhos?

Os cientistas ainda não são capazes de dizer qual dose e quais fontes de luz têm potencial significativo de causar danos aos olhos. 

Até o momento, os resultados científicos disponíveis implicam apenas que a luz azul artificial da iluminação típica de LED, usada na arquitetura ou encontrada nas telas, está muito abaixo de qualquer limite conhecido para criar danos à saúde no sistema ocular humano.

No entanto, as queixas dos pacientes sobre conforto visual reduzido e o aumento de sintomas , como dores de cabeça ou queimação nos olhos, são problemas comuns e que apresentam resultados crescentes.

Por isso, vale lembrar o conselho das vovós de que “prevenir é melhor do que remediar”! 

Como proteger os olhos da luz azul violeta?

As lentes com proteção blue light são o que há de mais moderno em proteção contra luz azul, combinando visão confortável, clareza e estética, ao mesmo tempo que podem bloquear até 40% da luz azul potencialmente prejudicial à saúde ocular. 

Pesquisadores da Universidade de Toronto compararam os níveis de melatonina de pessoas expostas à luz interna brilhante que usavam óculos com proteção blue light com pessoas expostas à luz fraca normal sem usar óculos e chegaram a níveis hormonais similares para ambos os grupos. 

O fato de os níveis do hormônio serem quase os mesmos nos dois grupos reforça a hipótese de que a luz azul é um potente supressor de melatonina. Também sugere que pessoas que trabalham expostas à luz digital devem se proteger com óculos que filtram a luz azul. 

Luz azul bloqueada pela lente blue protect em óculos LIVO

Lentes Blue Protect

Lentes com proteção blue UV antirreflexo filtram a luz azul emitida pelas telas dos dispositivos eletrônicos e são indicadas até mesmo para pessoas que não utilizam lentes de grau, mas precisam se proteger da exposição prolongada diante do celular, tablet ou computador. 

Uma nova geração de lentes com filtro para luz azul é apresentada ao mercado, abordando a tecnologia atual e o uso de mídia no contexto do “novo normal”. 

As propriedades de filtragem da luz azul agora são incorporadas ao próprio material da lente. Como resultado, as lentes ZEISS BlueProtect fornecem excelente clareza de lente, bem como o filtro de até 40% da luz azul potencialmente prejudicial e irritante ao olho humano. 

Uma desvantagem comum de muitas soluções de filtro de luz azul são reflexos residuais irritantes e perturbadores na superfície da lente. Tais reflexos podem causar irritação ao observador e distrair o usuário. Especialmente em ambientes internos, onde telas ou LEDs são as principais fontes de iluminação, esses reflexos tendem a ser mais visíveis. 

Esse é um ponto a ser levado em consideração pelo comprador, mas é importante ressaltar que elas não alteram a percepção de cores, informação muito importante para profissionais que trabalham com design e retoque de imagens, por exemplo.

A LIVO também oferece as lentes Crizal Prevencia e Blue Light e Blue UV Essilor para as pessoas que buscam uma proteção contra a luz azul.

A lente Crizal Prevencia filtra seletivamente a luz azul-violeta, os raios UV (mesmo sendo transparentes, todas as lentes antirreflexo da Gama Crizal possuem o índice de FPS-O, o que garante a proteção UV diária de seus olhos), mas ainda permite a passagem da luz essencial para o controle do relógio biológico, mantendo o bom funcionamento do ciclo de adormecer/despertar, memória, humor, desempenho cognitivo etc.

Oferece maior conforto visual e máxima nitidez da visão, protegendo as lentes contra: reflexos, arranhões, manchas, poeira e água.

Além disso, é importante ressaltar que qualquer lente de óculos de grau pode agregar o filtro para luz azul, basta solicitar quando fizer seu pedido!

Vantagens da proteção blue light

Com a pandemia do coronavírus e o isolamento social, eventos que antes eram externos e muitas vezes ao ar livre, passaram para a tela de computadores, tablets e smartphones. Além do trabalho e do estudo, shows, happy hours, fofocas entre amigos, passeios em museus e até viagens para outros países ganharam espaço no mundo digital.

Essa mudança de comportamento também causou um aumento na exposição dos olhos aos efeitos nocivos da luz azul violeta emitida pelos aparelhos eletrônicos e até nas lâmpadas de LED usadas nas residências.

Nesse cenário a principal vantagem da proteção blue light é diminuir os impactos da luz azul na saúde da visão evitando assim:

  1. a fadiga ocular;
  2. dores de cabeça e outros sintomas como olhos vermelhos e ressecados, ardência e dor nos olhos, entre outros;
  3. impactos da exposição à luz azul na qualidade do sono devido a inibição da produção de melatonina.

Lente blue light vale a pena?

A lente com filtro azul vale a pena para pessoas que têm uma rotina diária com grande exposição a telas de aparelhos eletrônicos, como computadores, smartphones e tablets. 

Isso porque a proteção contra luz azul bloqueia uma parte do espectro de luz azul que pode intensificar os sintomas de fadiga ocular digital, incluindo olhos cansados, visão turva, distúrbios do sono e olhos secos ou irritados. 

As lentes com proteção blue light foram projetadas para uso durante o dia e a noite, principalmente em ambientes fechados, e oferecem um aspecto de conforto visual extra que permite condições de trabalho com mais segurança e bem-estar. Acesse o site de produtos LIVO e garanta as suas!